São Paulo, 23 de Novembro de 2017   
 
ATENDIMENTO >> SERVIÇOS


Atendimento psicopedagógico clínico integrado à terapia facilitada por cães

Dentro de uma situação clínica é comum que um indivíduo, ao se deparar com estímulos ou situações geradores de ansiedade, mostre uma conduta evitativa quanto ao terapeuta e tratamento. A inserção dos animais em processos terapêuticos tem sido cada vez mais utilizados devido ao fato deles atuarem como co-ajudantes, para construir um ambiente em que os assistidos se sintam mais acolhidos e seguros, o que é fundamental para a evolução de todo tratamento. A presença do animal faz com que o ambiente terapêutico pareça menos ameaçador, e consequentemente, estimula o paciente a ficar mais disposto a colaborar, principalmente, no início do processo em que o vínculo terapeuta-paciente, ainda, está em formação e o espaço de atendimento se mostre assustador. Nesse contexto, o animal gera o efeito tranquilizador, reduzindo o nível de ansiedade. Concomitantemente, o animal atua como uma ponte de comunicação que vai favorecer a relação com o terapeuta e a cada encontro o vínculo e confiança necessários para o paciente conseguir se expor vão se fortalecendo. Nessa perspectiva, integramos o atendimento psicopedagógico a Cinoterapia. O atendimento psicopedagógico consiste em duas etapas: Diagnóstico das dificuldades de aprendizagem: todo diagnóstico é, em si, um ato de investigação. O diagnóstico psicopedagógico é uma pesquisa das causas do que não vai bem com o sujeito em relação a uma conduta esperada. É portanto, o esclarecimento de uma queixa que pode se caracterizar como não aprender, do aprender com dificuldade, do aprender lentamente, do não revelar do que aprendeu ou de possíveis fugas de situações de aprendizagem; Tratamento das dificuldades de aprendizagem diagnosticadas: A especificidade do tratamento psicopedagógico consiste no eliminar do sintoma através de intervenções que focam as causas diagnosticadas. É neste momento que se dá o que denominamos de processo corretor que consiste no conjunto de operações clínicas por meio do qual se facilita o aparecimento e a estabilização de condutas

Atendimento psicopedagógico institucional integrado à Educação Assistida por Animais

Através de técnicas de avaliação institucional e psicopedagógica, a Psicopedagogia Institucional busca analisar os problemas escolares compreendendo a identidade da instituição e de que forma os processos do ensino-aprendizagem influenciam o desempenho escolar do aluno. O psicopedadogo colabora para ajudar o grupo a entender o seu funcionamento e assim conseguir romper com os obstáculos que interferem na aprendizagem, favorecendo a construção do trabalho educacional coletivo. O Atendimento psicopedagógico institucional integrado à Educação Assistida por Animais possibilita à instituição um modelo de trabalho não convencional que permite maior rapidez na identificação das causas que impedem a instituição de alcançar seus objetivos, bem como, potencializa o processo de intervenção. O Atendimento pode ter como foco de trabalho: fracasso escolar, currículo, o planejamento escolar com enfoque psicopedagógico, a avaliação da aprendizagem, conselho de classe, trabalho com projetos, afetividade e aprendizagem, reuniões de pais, formação continuada de profissionais de educação, indisciplina na escola e de inclusão.

Trabalho com crianças e adolescentes com necessidades educativas especiais mediada por cães terapeutas

Sendo a inclusão escolar uma prática adotada, é importante destacarmos que a Cinoterapia ( utilização de cães como facilitadores do processo terapêutico) abre espaço para a socialização e inclusão da criança e adolescente com necessidades educativas especiais. As diferenças, na verdade, são o que justificam e fundamentam a necessidade da convivência. Estar incluído socialmente não significa identificar, compreender ou apenas equilibrar as diferenças, mas, ter consciência de que para estar incluído é necessário fazer parte e para isso acontecer, é fundamental ter o papel social definido. Todos nós precisamos ser incluídos, pois, inclusão não significa ser portador de uma patologia e a partir da identificação dessa patologia, determinar um lugar na sociedade. Para existir inclusão é imprescindível que reaprendamos a conviver em grupo. Por meio do cão, é possível resgatar valores que a sociedade, hoje, não considera mais. Aprendemos com os animais de estimação a fazer uma releitura corporal, despertando empatia, a autoconfiança e a autoestima. O cachorro é um facilitador do convívio, uma vez que não exige dos participantes desse vínculo nada além de estar socialmente envolvido. Com a utilização de cães treinados, é possível fortalecer as relações de convivência da criança e abrir oportunidades para que o terapeuta ou professor possa atuar.

Desenvolvimento do raciocínio lógico-matemático mediado por Educação Assistida por Animais

Destinado às crianças e adolescentes que mesmo não apresentando nenhuma dificuldade de aprendizagem significativa revelam raciocínio primitivo e/ou lentidão neste processo. Tem como objetivo aprimorar as habilidades de raciocínio e pensamento. A ênfase está nos processos de pensamento necessários ao ato de aprender. Geralmente, o trabalho é realizado por meio de jogos no qual o animal executa junto com a criança, o que permite mediante à motivação, ativar com mais facilidade a atenção e concentração, possibilitando à criança ou ao adolescente a construção de procedimentos adequados à solução dos problemas em menor tempo. Centramos esse trabalho no jogo de matrizes lógicas – elaborado em Israel e traduzido por Jorge Wisca - que tem por finalidade desenvolver o pensamento do sujeito. Este jogo focaliza-se na estrutura cognitiva e possibilita a passagem de um estágio de pensamento para outro.

Programa de leitura assistida por animais

A leitura se constitui numa poderosa e essencial ferramenta para a sobrevivência social do homem, contudo, se a leitura não for prazerosa, esse objetivo deixa de ser alcançado. Para que um indivíduo adquira o hábito da leitura, é preciso que ele construa uma imagem positiva acerca da mesma, tornando-a parte de sua vida diária e para isso acontecer, o desejo do leitor deve existir sempre. Se a leitura for construída de forma a não trazer prazer ao indivíduo, sendo transformada em uma obrigação, certamente, ela se constituíra em um enfado. Para garantir que esse desejo seja formado e assegurar o prazer pela leitura, o leitor deve ter a liberdade de escolher o que quer ler, o que deseja reler e o lugar onde deseja ler. Também, é imprescindível que o caminho para a construção desse desejo seja propiciado. Se as experiências necessárias para a aquisição de pré-requisitos para a leitura, bem como, o processo de alfabetização e consequentemente o estímulo para o aprimoramento dessa habilidade de leitura não forem devidamente atendidos, naturalmente, a criança que está em meio a esses processos vai se deparar com fracassos e dificuldades, o que diminui a possibilidade dela se tornar um leitor competente. Métodos e técnicas de leitura diferentes e motivadoras são fundamentais no despertar do desejo pela leitura, além de auxiliarem na superação de possíveis obstáculos que possam surgir nessa caminhada. Muitas crianças trilham um caminho com dificuldades no processo da leitura. Os fracassos contínuos ao ler, o enorme esforço para decodificar as letras, palavras, frases, acabam por impedir que o prazer pela leitura venha nascer. Com o tempo, as crianças começam a demonstrar medo, em razão de uma leitura vacilante, com erros, sentem-se inferiores, chegando ao ponto de se sentirem ansiosas e emocionalmente abaladas ao terem que enfrentar a leitura diante das pessoas. Nesse sentido, os animais são companheiros ideais para leitura porque ajudam a reduzir a pressão arterial e aumentam o relaxamento no momento crítico. Por quê? Porque ouvem com atenção, não julgam, não riem diante do erro, não criticam, auxiliam e permitem que a criança prossiga em seu próprio ritmo, isto é, os cães são menos intimidantes que as pessoas, somado ao fato de que a presença do cão cria um ambiente convidativo e motivador, aliás, segundo um professor da Universidade de Harvard, a criança já tem uma afinidade com os animais. Nos Estados Unidos e, em outros países da Europa, o Programa de Leitura Assistida por Cães tem auxiliado crianças a fazerem enormes progressos na leitura, melhorando a capacidade de comunicação, elevando a autoestima, confiança em si mesmo e adquirindo habilidades sociais.

Sistema de tutoria: orientação de estudos mediada por cães terapeutas

Voltado para a tarefa de organizar a vida escolar da criança e do adolescente que não sabe realizar isto, espontaneamente, mesmo que essa situação não cause nenhum problema escolar significativo. Nesse tipo de atuação, o psicopedagogo dará ênfase sobre a melhor forma de utilização do tempo a ser dedicado em cada matéria, bem como, sobre a organização de uma agenda, do espaço para estudo e de todos os fatos relacionados à questão de como estudar. Tal trabalho visa possibilitar o crescimento da autonomia em relação à vida escolar. É uma estratégia que auxilia no desenvolvimento da independência, de hábitos de estudo, estratégias de aprendizagem e prazer pelos mesmos. O sistema de tutoria tem como objetivo levar o indivíduo, pouco a pouco, a começar a realizar suas atividades em casa e sozinho com o uso de sua inteligência plena que é constituída pelas capacidades analítica, criativa e prática. O uso do cão nesse trabalho auxilia a internalização de conceitos e metodologias que, geralmente, necessitam de maior tempo para serem compreendidos e assimilados numa orientação convencional.

Grupos de inteligência plena mediado por Educação Assistida por Animais

Inteligência plena é o conjunto integrado das capacidades necessárias para que o indivíduo alcance sucesso na vida, independente de como o mesmo o defina, já que sucesso depende de um contexto sociocultural. São consideradas pessoas plenamente inteligentes aquelas que reconhecem seus potenciais e os usam ao máximo, ao mesmo tempo em que reconhecem seus limites e descobrem maneiras de compensá-las e/ou corrigi-las. São indivíduos que se adaptam e que modificam ambientes pelo uso equilibrado das capacidades analíticas, criativas e práticas. O trabalho com inteligência plena mediado por animais visa oferecer às crianças, adolescentes e adultos, meios para desenvolver estas três capacidades. Esse trabalho está baseado em 40 lições, as quais se dividem de forma a desenvolver o pensamento analítico, o pensamento criativo e o pensamento prático.

Atendimento pedagógico ou psicopedagógico hospitalar mediado por cães terapeutas

Segundo a Organização Mundial de Saúde, saúde é um estado de completo bem-estar físico, mental e social, não apenas a ausência de doença ou enfermidade. Dentro dessa perspectiva, a presença de um cão no hospital deve ser vista como um aliado da equipe médica, no sentido de minimizar o medo, a tristeza, a preocupação, a ansiedade e os momentos difíceis que uma pessoa passa, ao estar dentro do ambiente hospitalar. Hoje, há inúmeros estudos e pesquisas a respeito dos benefícios da presença dos animais em contato com pacientes internados ou que fazem periodicamente tratamento ambulatorial. A dor é a queixa mais comum dos pacientes. Virginia Byers-Kraus, médica, Ph.D., reumatologista e professora-associada da Escola de Medicina de Universidade Duke, afirma que os animais de estimação podem ser comparados ao efeito de um tranquilizante que reduz o limiar da dor. Uma pesquisa feita pela Dra. Ann Berger que é responsável pelo departamento dedicado à dor e aos cuidados paliativos do Instituto Nacional de Saúde – o NIH Clinical Center, nos Estados Unidos, separa a dor em duas partes: uma é a própria dor, a outra, vai além da questão física e é considerado um componente maior de sofrimento que amplia a percepção da dor. Essa parte é chamada de lado emocional da doença e diz respeito às angústias, medos, incapacidades físicas, etc., que a pessoa enfrenta e que nenhum medicamento pode aliviar. Ao entrar em contato com os animais, o doente desvia a atenção para um objeto exterior e por um período não pensa mais em seus problemas e preocupações. Isso traz um efeito tranquilizante. Dessa forma, os animais desviam o foco da pessoa de sua dor. Não resta dúvida de que os animais de estimação ajudam na recuperação hospitalar. Eles colaboram no sentido de deixar o ambiente mais divertido, quebrando a rotina do lugar, estimulam a socialização, a comunicação entre enfermeiros, médicos e pacientes, além de colaborar para que os pacientes se comportem de forma mais ativa. A mudança de humor é um dos fatores mais visíveis. Através de todos esses benefícios da interação pessoa-animal, o atendimento pedagógico, psicopedagógico dentro dessa modalidade se torna uma ferramenta poderosa no auxílio de crianças e adolescentes internados e que necessitam dar continuidade ao seu desenvolvimento acadêmico e cognitivo.

Estimulação infantil assistida por animais

A ciência comprovou que apenas 30% do desenvolvimento das habilidades de uma criança é genético e 70% depende de estímulos recebidos na primeira infância. As investigações acerca da mente revelaram que quanto maior os estímulos recebidos pelo cérebro maior será a capacidade cognitiva do bebê e da criança. A fase que compreende entre 0 e 3 anos de idade é a fase em que o cérebro mais precisa de estímulos. Nesse período o cérebro cresce 60%. Assim, é imprescindível que bebês e crianças possam ter oportunidades para desenvolver todo o seu potencial. Através de vivências lúdicas e de estimulação infantil onde um animal de estimação participa, é possível que o assistido descubra o mundo de maneira divertida, o que favorece a autoestima que consequentemente estimula a inteligência e o desenvolvimento. Pesquisas científicas comprovam que os animais possuem um volume compacto de informações. Eles oferecem uma maneira extraordinária de experimentar o mundo físico e social. Isso vai ao encontro com a forma como a aprendizagem e o desenvolvimento acontecem desde que nascemos. Estudos recentes demonstraram que o cuidar dos animais pela criança ajuda não só no desenvolvimento cognitivo, mas, também, a elevar o nível de QI. Além de estímulo sensorial, um bicho bem adestrado oferece para a criança pequena um acentuado sentido de segurança. A coerência das reações que recebem dos bichos de estimação, também, é capaz de aumentar a expectativa da criança de que será amada e apreciada, o que ajuda a desenvolver o sendo positivo do eu (nossa identidade). Os animais ajudam as crianças a se sentirem competentes, pois, oferecem a oportunidade de ensinar uma experiência que envolve emoções, responsabilidades e consequências. As atividades são elaboradas de forma a estimular os 5 sentidos e as inteligências múltiplas.

Estimulação cognitiva assistida por animais para a terceira idade

Uma pesquisa concluída na Universidade da Califórnia, por Lynette Hart, revelou uma das descobertas mais interessantes em relação aos idosos e animais de estimação. Segundo a pesquisadora, idosos que tinham cachorros conversavam mais sobre fatos presentes enquanto os que não possuíam se atinham mais aos episódios do passado, pois, os idosos em sua grande maioria têm a tendência de acreditarem que as coisas boas e agradáveis ficaram no passado e vivem, o dia a dia, sem muita expectativa. Dentro dessa perspectiva, os animais conseguem fazer com que os idosos vivam o presente, trazem-nos para o momento e lhes mostram a importância do agora. Com os animais, os idosos são estimulados a aproveitarem melhor o tempo presente, levando-os a se sentirem úteis, além de propiciarem situações de novas descobertas. Outra pesquisa no Colorado, Estados Unidos, conseguiu comprovar a relação entre a posse de animais de estimação e a quantidade de exercícios físicos realizados pelos idosos. Os resultados indicaram o aumento de atividades dos idosos que tinham um bicho de estimação. Descobriu-se que os bichos de estimação conseguem combater o sedentarismo comum na terceira idade. Nesse sentido, o IBETAA busca através de atividades individuais ou em grupo, estimular as funções executivas em pessoas da terceira idade, compreendendo a importância de manter o cérebro ativo, minimizando o aparecimento de patologias pertinentes ao idoso.

Atividade Assistida por Animais

O Prof. Johannes Odendaal considerado um cientista renomado com três graus de doutorado realizou pesquisas que revelaram que pessoas em contato com cães apresentaram uma mudança hormonal. Substâncias químicas como as endorfinas Beta, phenilatalamina, prolactina, serotonina, dopamina e oxitocina foram produzidas quando as pessoas interagiam com os animais durante 15 minutos. Tais substâncias liberadas pelo cérebro são fundamentais para que as pessoas possam se sentir felizes. Os animais de estimação diminuem o estresse, baixando a frequência cardíaca e a pressão arterial e ajudam a reduzir a ansiedade do ambiente. Assim sendo, qualquer instituição educacional, de saúde ou até mesmo empresas podem solicitar esse tipo de atividade e propiciar os benefícios biopsicossociais da interação pessoa-animal aos seus funcionários e clientes. Entende-se por Atividade Assistida por Animais as situações de contato entre pessoas e animais cujo objetivo é apenas recreação e entretenimento. Geralmente, ocorrem através de visitas com duração de uma hora ou uma hora e meia e podem acontecer de forma esporádica a grupos diferentes de pessoas. O IBETAA prepara projetos personalizados de Atividade Assistida por Animais, de forma a atender os objetivos específicos de cada proposta de trabalho.

Dinâmicas de grupo mediadas por animais

As dinâmicas de grupo são utilizadas em treinamentos, programas educativos e processos de seleção profissional. Visando humanizar o ambiente corporativo, além de propor dinâmicas com objetivos específicos que venham melhorar as relações interpessoais e trabalhar aspectos ou áreas de conflito, o IBETAA conta com uma equipe especializada para ajudar os profissionais a superarem barreiras, trabalhar em equipe e consequentemente serem mais produtivos. Esse trabalho realizado com a participação do cão oferece condições mais amplas para a construção de um maior número e variedade de dinâmicas, assim como, permite alcançar com maior rapidez e eficiência os objetivos propostos e solicitados em cada situação específica, o que em um ambiente corporativo significa dispender menos tempo e dinheiro.
Desenvolvido por Marcos Dias de Almeida (Diretor de TI IBETAA) - 2015 - (marcos@ibetaa.org.br ou prog.marcos@gmail.com)